segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

A importância do "branco" na produção gráfica


Para Ribeiro (2003), nas artes gráficas, o "branco" pode ser azul, amarelo ou outra cor qualquer. Corresponde à área não impressa. Há brancos entre as letras, entre as palavras, entre as linhas e brancos marginais. A legibilidade, a evidência, a disposição etc., dependem totalmente da proporção dos brancos. O branco serve para enquadrar, dividir, arejar e agrupar. Um único elemento em um espaço gráfico, por menor que seja, concentra sobre toda a atenção.
O excesso de elementos numa composição torna o impresso desagradável, sem expressão. O branco deve ser muito bem dosado para dar ênfase à mancha gráfica, seja uma composição ou até mesmo um anúncio. Composições com muitos filetes, vinhetas e outros elementos com má divisão de branco tornam-se desagradáveis e de má comunicação. O destaque de uma composição gráfica não depende exclusivamente da força do tipo, e sim da quantidade de branco que os cerca (RIBEIRO, 2003).
Pode-se constatar em revistas, livros, anúncios, etc., a variedade de possibilidade de soluções produzidas pelo melhor emprego dos brancos. Na distribuição lógica dos brancos, junto com a escolha certa dos caracteres, está a boa qualidade do impresso (RIBEIRO, 2003).